Um mix de cultura e informação.

Novidade no blog !!!

Para estreiar essa categoria no blog, escolhi os clipes das musicas que mais tenho escutado e gosto atualmente. Essa categoria é livre, porem só vale musicas de dança de salão. Estará sempre entre o ranking as musicas ou clipes mais tocadas durante a semana (nas aulas ou bailes), tenham um video com uma performace chamativa, a musica seja muito boa (daquele tipo que não sai da cabeça) ou lançamentos. Tudo isso para estar sempre por dentro Conto com a ajuda de vocês na seleção do repertório.

Os 5 melhores clipes da semana:

5ºlugar

4º lugar

3º lugar

2º lugar

1º lugar

Origem da Salsa

Segundo o dicionário da Real Academia Espanhola, a salsa é uma composição ou mistura de diversas substâncias comestíveis diluídas, que se faz para adicionar ou condimentar as comidas.

Mas na realidade, aqui não iremos falar deste tipo de salsa, mas sim de uma cujos ingredientes são “condimentos musicais”. Desde sua base, o son Cubano, até as contribuições de seu tempero: o Merengue dominicano, a Cumbia colombiana, o Jazz norte-americano, o Samba brasileiro e outros ritmos musicais do Caribe.

Não podemos falar da salsa sem mencionar o gênero que constitui sua raiz: o son cubano. Este ritmo nasceu nos campos do oriente cubano na segunda metade do século XVIII, tendo como antecedentes a influência hispânica, francesa e logicamente africana. Devido a essa união perfeita, ao chegar nas cidades no início do século XIX se converteu rapidamente no favorito de todos.

Em 1909 fez sua entrada em Havana, nas mãos dos soldados do exército permanente do governo da época. Mas não é até 1920 que aparece o Sexteto Habanero, um grupo que marcou o estilo que se distingue do son cubano.

Nesta década surgiram outros grupos musicais como o Septeto Nacional de Ignácio Piñeiro, criado em 1927, grupo que se mantém até os dias de hoje. Músicas como Échale Salsita, El Guanajo Relleno e Suavecito, ainda são interpretadas e conhecidas internacionalmente. Também devemos citar o antológico Trio Matamoros, fundado em 1925, que nos deixou El son de La Loma, El que Siembra su Maiz, La Mujer de Antonio e Lágrimas Negras entre outras.

O formato que predominou nos grupos dessa época era: Contrabaixo, Três (guitarra que tem 3 pares de cordas), Guitarra, Cravo, Maracas, Voz e uma Trompete (opcional).

Nos anos 40 aparece um senhor chamado Arsenio Rodríguez que modificou os formatos do septeto e inclui na sua orquestra (além dos instrumentos já mencionados) o piano, a tumbadora e 3 ou 4 trompetes, parecendo-se o formato do conjunto musical muito similar aos grupos atuais. Em 1950, Arsenio vai viver em Nova York e forma outro grupo, sendo um dos precursores do movimento salsa nos Estados Unidos. Entre as músicas mais famosas de Arsenio estão Fuego en el 23, El Guayo de Catalina e Bruca Maniguá.

O son continuou seu auge e divulgação nas mãos de Matamoros, Arsenio, Sonora Matancera, Roberto Faz, septetos (Habanero, Nacional), as Charangas, que são bandas de música populares e de festividades (Arcaño, Jorrín, La Aragón) e as bandas de Jazz (Casino de la Playa). O son passou a outros países como Venezuela, Colômbia, Porto Rico, República Dominicana, México e Estados Unidos.

Os anos 50 se destacam pela aparição do máximo intérprete do gênero de todos os tempos: o grande Benny Moré com sua Banda Gigante. Benny continua sendo hoje uma referência para todos os soneros (salseros).

Com o triunfo da revolução cubana de 1959 e o início do bloqueio econômico norte-americano, a história desta música continua por caminhos diferentes: o que sucedeu fora de Cuba (principalmente em Nova York) e sua evolução dentro da ilha.


“Louvada seja a dança
porque ela liberta o homem
do peso das coisas materiais,
e une os solitários
para formar sociedade.
Louvada seja a dança,
que tudo exige e fortalece,
saúde, mente serena 
e uma alma encantada.
A dança significa transformar
o espaço, o tempo e a pessoa,
que sempre corre perigo
de se desfazer e ser ou somente cérebro, 
ou só vontade ou só sentimento.
A dança porém exige
o ser humano inteiro
ancorado no seu centro,
e que não conhece 
a obsessão da vontade de dominar
gente ou coisas, e que não sente
a demonia de estar perdido 
no seu próprio ser.

A dança exige o homem livre e aberto
vibrando na harmonia de todas as forças.

Ò homem, ò mulher, aprenda a dançar
senão os anjos do céu
não saberão o que fazer contigo”

Santo Augustinho afirma no texto acima que desde que o mundo é mundo, a dança é um fenomeno de muita importancia esteve presente em diversos momentos e de maneiras diferentes.

A dança de salão por sua vez é uma atividade física que pode ser feita por pessoas de todas as idades e nunca sai de moda. Sem contra indicações, é uma opção para quem quiser se exercitar e manter a forma alem de ser  uma forma preventiva de doenças.
A dança em geral é um meio de liberar energia, de se descontrair. E a dança de salão alem disso é otima pois existe uma uma integração social devido à interação entre duas pessoas.
Para quem quer se manter em forma, fazer aulas de três a cinco vezes por semana, durante uma hora, melhora o condicionamento físico da mesma forma que fazer academia. O único empecilho é quando alguém tem problemas nas articulações – aí é recomendada orientação médica. O exercício trabalha a sustentação do corpo, a contração muscular, o controle motor, a respiração, a resistência cardiopulmonar e o lado emocional, o que ajuda a fortalecer o organismo.  vejamos a pesquisa feita pelo preparador fisico José Rubens, os gastos caloricos perdidos em uma aula de 30 minutos.

Fonte: http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2011/05/beneficios-da-danca-para-o-corpo-e-saude-sao-destaque-no-bem-estar.html

Conhecida por seus bailes de tradição, a estudantina que ficou famosa por lançar grandes nomes da música brasileira, hoje comemora 81 anos de existência e ainda é um local frequentado por amantes da música de salã0 de todos os gêneros.

A casa permanece com sua programação até hoje.

Na integra mais informações:

http://estudantinamusicalgafieira.blogspot.com/p/historia.html

Na opinião dos profissionais presentes, a etapa brasileira do Campeonato Mundial de Tango foi finalizada com sucesso, Os campeões da noite foram Cristóvão Christianis e Katiusca Dickow, na categoria Escenário, e Laure Quiquempois e Marcos Salomão, na categoria Salão.

Marcos Salomão tem 19 anos e é o mais novo campeão brasileiro na dança de tango categoria salão, em entrevista ele conta que se dedica a treinos de 5 horas diariamente, não parece muito mais requer muito esforço e concentração. Ele é estudante da FACHA!!

Na integra tudo sobre sua vitória:

http://www.dancaempauta.com.br/site/noticias/etapa-brasil-do-mundial-de-tango-encerra-com-sucesso/

Dança de Salão

A dança é uma das manifestações artísticas mais antigas da humanidade, com seus gestos e movimentos para expressar emoções e sentimentos, a partir da necessidade de comunicação.

A dança fazia parte de rituais dedicados a deuses, para pedir auxilio para realização de boas caçadas e pescarias, pedir para que as colheitas fossem abundantes, manifestações do tempo, para que fizesse sol ou chovesse, integrava também homenagens de júbilo e congraçamento pela vitória sobre inimigos entre outros eventos felizes.

Com o Passar do tempo cada povo desenvolveu sua cultura e também suas próprias formas e estilos de dançar. Surgindo apartir de objetivos, vários estilos de dança: A guerreira, a teatral, a ritual ou religiosa, a popular ou folclórica, o balé clássico, a dança moderna,dança do ventre, a dança social ou de salão, a dança esportiva (modalidade de caráter competitivo) e outros tipos…

A dança de salão, é praticada por casais. Surgiu na Europa, na época do renascimento (sec. XV e XVI), Tornou-se uma forma de prazer muito apreciada tanto nos salões nobres como também entre o povo em geral. É chamada dança social por proporcionar o estreitamento de relações sociais de amizade, romance, parentesco entre outras… De salão, pois requer salas amplas para os dançarinos fazerem livremente suas evoluções, e porque através de sua pratica nos salões das cortes Européias foi levado a outras colônias (America, Ásia, África), se espalhando e transformando-se popular no mundo.

No Brasil, a dança de salão chegou através de colonizadores portugueses (sec. XVI), Em 1808 a corte portuguesa transferiu-se para cá trouxe consigo gestos, hábitos sociais, danças da moda e costumes dos bailes freqüentes. Durante todo século, todo evento era motivo de baile (aniversários, casamentos, datas cívicas…). Em 1914 quando a Suíça Louise Poças Leitão fugindo da primeira guerra mundial aportou em são Paulo, introduzindo e ensinando Valsa, Mazurca e outros ritmos tradicionais europeus para a sociedade Paulista, ela só não imaginava que iria criar uma tradição tão forte. Mais tarde outros estilos de dança foram se espalhando por nossa terra vinda pelos imigrantes de outros países da Europa que vieram para cá na revolução industrial. Não tardaram a se mesclar a dos povos indígenas e africanos (semba de roda, danças religiosas…), havendo um processo de inovação e modificação de algumas danças Européias e surgimento de novas danças brasileiras. O  Forró Maxixe deu origem ao Samba de Gafieira, Soltinho, Tango, Zouk, Lambada, Habanera que deu origem a diversos ritmos cubanos como o Bolero, Salsa, e Rumba.   Nos Estados Unidos, o swing surgiu de grupos negros dançando ao som de jazz no início dos anos vinte. As primeiras danças criadas foram o  charleston e o lindy hop. Essas deram origem a vários outros tipos de danças americanas, como o jitterbug , o balboa, o west coast swing e o east coast swing. Existe uma versão brasileira semelhante ao swing chamada soltinho.

Até 1960, os bailes eram eventos sociais mais importantes e populares para pessoas de todas as idades e camadas sociais. O aparecimento do período das discotecas (onde os casais passaram a dançar sem se tocar), levaram a dança de salão a cair num semi-esquecimento pelo menos nas grandes cidades. A dança de salão passou a ser vista como conservadoras e “fora de moda” até meado dos anos 80, onde pares enlaçados vieram retornando com toda a força retomando lugar de destaque que sempre ocupou na vida social urbana. Multiplicam-se seus adeptos e os lugares para dançar a dois, num movimento forte e abrangente que parece ter vindo para ficar.

O sucesso internacional da lambada (anos 80), facilitou o caminho de redescoberta da dança em dupla pelo publico dos mais jovens nascidos e criados ao som das discotecas. A dança de salão vem passando por uma renovação a cada momento, nós estamos testemunhando essa expansão.

No Rio de Janeiro, a dança de salão cresceu nas mãos de Maria Antonieta, a manauense que veio para o Rio as 14 anos, sempre morou com os avós ela sempre foi incentivada a dançar, cresceu em santa Teresa, em meio a saraus dançantes, assim tomou gosto pela arte e logo começou a ministrar aulas. Com seus 17 anos ( década de 40) comandou sua primeira turma. Nos 60 anos em que atuou como professora, sempre transmitiu energias boas e até os últimos momentos de sua cerreira encantou com sua vitalidade e alegria. A “dama dos salões” como era conhecida, foi a percussora da dança no pais e revelou grandes nomes de coreógrafos e professores, fazem o nosso bolero, samba (no pé e de gafieira) famosos no mundo todo. Com a ajuda de varias correntes de professores, tornou sua prática uma forma de ensino popular em escolas de dança e academias.

Os ritmos dançados nos bailes cariocas atualmente são: O samba (chorinho,pagode, samba de gafieira…), bolero (e outros ritmos mais lentos dançados como bolero), soltinho ( ritmos mais rápidos como o rock, e outros de forma genericamente), salsa (merengue, mambo), zouk (lambada, soulzouk, zouklove, RNB… bailes especiais para seus apreciadores), forró( dança popular encontrada no nordeste, pé de serra, xote..) Tango (milonga, valsa, dançada a maneira dos argentinos)

A dança de salão é uma das mais tradicionais e fortes características culturais brasileiras. É uma expressão alegre e espontânea de seu povo, Com seus ritmos e formas de dançar próprios, que despertam a atenção e admiração de estrangeiros. Seu potencial cultural, educativo e turístico é enorme. A riqueza e a diversidade da dança de salão em território brasileiro é grande e é isso que torna tão atraente para nós mesmos e para turistas.

Gêneros de Dança de Salão:

Standard

Estilo Americano

American Rhythm

Brasileiras

Latinas

Outras

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.